Kefir BR

Kefir BR

As bactérias probióticas que fazem bem

O nosso trato gastrointestinal é colonizado por diversas bactérias, que é chamado de “flora intestinal”. Esses microrganismos atuam em funções fisiológicas essenciais para nosso organismo.
É normal que em nossa flora intestinal nem todas as bactérias sejam benéficas. Um organismo equilibrado teria em torno de 85% de bactérias boas e 15% de bactérias ruins.
Entretanto, alguns fatores podem reduzir o número de bactérias benéficas e aumentar as bactérias ruins, como alimentação desequilibrada, estresse, uso de antibióticos com frequência e doenças.
Alimentos que contém bactérias vivas, como iogurtes e kefir, são probióticos. Eles estimulam a proliferação das bactérias benéficas em detrimento das bactérias prejudiciais, equilibrando a flora intestinal e reforçando os mecanismos de defesa do nosso corpo.

Saiba como Acrescentar os probióticos em sua alimentação

ProbióticosPosted by Kefir BR Aug 18, 2016 21:30:52
Conheça melhor esses potentes estimulantes do sistema imunológico, que podem ser consumidos em todas as idades

No passado, a regra básica da boa alimentação era escolher ingredientes que suprissem as necessidades diárias de nutrientes. Com a evolução da nutrição, essa prática se aprimorou e, hoje, além de ser nutritiva, a dieta deve ser funcional, isto é, rica em alimentos cujos componentes influenciam determinadas funções orgânicas. O objetivo é garantir o bem-estar físico, mental e, principalmente, reduzir o risco de doenças. Entre os alimentos funcionais, os probióticos — termo que significa “a favor da vida” — chamam a atenção. Definidos como micro-organismos vivos (bactérias ou fungos), eles equilibram a flora intestinal, potencializando o sistema imunológico. Suzana Marta Isay Saad, farmacêutica- bioquímica e professora associada da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP), diz que a introdução desses micro-organismos nas dietas tem a finalidade de melhorar a saúde. Há anos estudando o uso dos probióticos, a especialista explica que existem vários tipos deles, mas os mais utilizados são oslactobacilos e as bifidobactérias. “Os 56 tipos que pertencem ao primeiro grupo auxiliam na digestão da lactose (açúcar presente no leite), reduzem a constipação e a diarreia infantil e do viajante, previnem a salmonela, aliviando também a síndrome do intestino irritável. As bifidobactérias, com 29 espécies, estimulam o sistema imunológico, a produção de vitamina B, inibem a multiplicação de agentes causadores da doença, reduzem a concentração de amônia e colesterol no sangue, bem como ajudam no restabelecimento da flora, após uso de antibióticos”.
Mil e uma propriedades

As causas de tantos benefícios são as características desses micro organismos, hábeis na multiplicação das chamadas bactérias boas em detrimento da proliferação daquelas prejudiciais. A consequência para o organismo é o reforço dos mecanismos naturais de defesa. “Quanto maior a resistência gastrintestinal aos agentes causadores de doenças (patógenos), e quanto maior for a redução desses agentes por meio dos compostos antimicrobianos, maior será a promoção da digestão da lactose, o alívio da constipação, a absorção de minerais e também a produção de vitaminas”, explica Suzana. Diminuir o risco de câncer de cólon e de doenças cardiovasculares são alguns dos resultados de estudos científicos preliminares que justificam o entusiasmo pelos probióticos. Na prevenção do câncer, uma recente pesquisa dirigida por Ingrid Wollowski, publicada pelo The American Journal of Clinical Nutrition, revelou que esses micro organismos parecem neutralizar as mutações genéticas estimuladas pelos tumores. Outras investigações reconheceram o mérito dos probióticos na melhora da saúde urogenital das mulheres e nos níveis sanguíneos de lipídeos, além do controle da pressão sanguínea. Segundo Guilherme T. Araújo, médico residente de Nutrologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP — Ribeirão Preto, “as ações dos probióticos vão muito além.” Na opinião do nutrólogo, a principal função desses alimentos é diminuir reações alérgicas e doenças inflamatórias intestinais. “Se administrados na época correta, os probióticos podem diminuir o pH intestinal, estimular a produção de antibióticos naturais pelo organismo e melhorar a barreira intestinal, impedindo a passagem de bactérias do intestino para o sangue”, explica Araújo.



  • Comments(0)