Kefir BR

Kefir BR

As bactérias probióticas que fazem bem

O nosso trato gastrointestinal é colonizado por diversas bactérias, que é chamado de “flora intestinal”. Esses microrganismos atuam em funções fisiológicas essenciais para nosso organismo.
É normal que em nossa flora intestinal nem todas as bactérias sejam benéficas. Um organismo equilibrado teria em torno de 85% de bactérias boas e 15% de bactérias ruins.
Entretanto, alguns fatores podem reduzir o número de bactérias benéficas e aumentar as bactérias ruins, como alimentação desequilibrada, estresse, uso de antibióticos com frequência e doenças.
Alimentos que contém bactérias vivas, como iogurtes e kefir, são probióticos. Eles estimulam a proliferação das bactérias benéficas em detrimento das bactérias prejudiciais, equilibrando a flora intestinal e reforçando os mecanismos de defesa do nosso corpo.

Os probióticos ajudam na absorção de nutrientes pelo intestino e combatem infecções causadas por outros microrganismos

ProbióticosPosted by Kefir BR Jun 05, 2016 20:26:30

Dor de barriga, mau humor, diarreia, prisão de ventre crônica são sinais de que algo não vai bem com a flora intestinal. Responsável pela absorção de nutrientes e eliminação de toxinas, o intestino tem papel importante no equilíbrio do sistema imunológico. Nessa tarefa, os chamados probióticos são essenciais. A Food and Agriculture Organization das Nações Unidas (FAO) define probióticos como “microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem benefício à saúde do hospedeiro”. Conhecidos como bactérias do bem, eles são essenciais para o bom funcionamento do organismo. O aparelho digestivo filtra e elimina coisas que podem danificá-lo, tais como bactérias, toxinas, produtos químicos e outros produtos residuais. Por outro lado, absorve substâncias de que nosso corpo precisa: os nutrientes dos alimentos e da água. Quando a pessoa se alimenta mal, vive estressada e consome pouca fibra, o resultado são as doenças crônicas provocadas pelas bactérias nocivas. O desequilíbrio tem sido associado a diarreia, infecções do trato urinário, dor muscular e fadiga.

Os probióticos ajudam nessa “filtragem”, mas são ainda mais importantes na defesa do corpo. O sistema imunológico é a principal proteção contra germes. Quando ele não funciona corretamente, podem ocorrer reações alérgicas, doenças autoimunes (como colite ulcerativa, doença de Crohn e artrite reumatoide) e infecções variadas.

O Lactobacillus acidophilus, por exemplo, é amplamente utilizado por pessoas intolerantes a lactose — a bactéria produz a enzima lactase, que ajuda na digestão do leite. Cada probiótico vai ajudar o organismo de alguma forma, todos, porém, aumentam a capacidade do sistema imunológico. Já o Bifidobacterium animalis é um probiótico presente no intestino grosso e expulsa bactérias nocivas, que acabam sendo eliminadas nas fezes. Assim, o Bifidobacterium animalis previne o câncer de cólon e doenças intestinais. A única contraindicação relacionada com os probióticos é em casos de extrema gravidade, como fissuras no intestino.

Infecções crônicas costumam ser tratadas com o uso prolongado de antibiótico, o que contribui para a disbiose intestinal. Antibióticos matam todos os tipos de bactéria, não diferem as boas das más, por isso, depois de um período prolongado do seu uso, é preciso recompor a flora. Quando o número de bactérias nocivas é maior do que o número de bactérias boas, o sistema imunológico enfraquece, abrindo caminho para infecções de todo tipo. O surgimento do fungo Candida albicans, que afeta muitas mulheres, pode ser resultado dessas deficiências. Isso indica que, na competição entre os probióticos e o fungo, quem ganhou foi o fungo As bactérias boas precisam de fibras para crescer, já os microrganismos patogênicos necessitam de açúcar, farinha branca e laticínios.

Na maioria das vezes, os probióticos são criados no processo de fermentação — eles precisam apenas de um bom lugar para crescer. Organismos de fermentação produzem álcool, ácido láctico e ácido acético — conservantes que mantêm os nutrientes e evitam a deterioração. Além dos suplementos vendidos em farmácias em cápsulas e sachês, as bactérias do bem podem ser encontradas no iogurte, no kefir, no chucrute, no kimchi (vegetais fermentados) e em alguns tipos de queijo. Os métodos tradicionais de conservação da carne, como a cura de salame, também usam fermentação de lactobacilos para a conservação dos alimentos, no entanto, por serem industrializados, não fornecem grandes benefícios. Os iogurtes vendidos em supermercados contêm muito açúcar e número insuficiente de probióticos para alguém que está com deficit na flora intestinal.

Uma das maneiras de produzir o probiótico em casa está na fermentação do grão kefir. O kefir é um conjunto de microrganismos em formato semelhante a um cristal. O grão de kefir é um agrupamento com vários microrganismos em simbiose. Para manter as bactérias em constante crescimento, os grãos devem estar em contato com alguma fonte de açúcar para que haja fermentação: leite ou água com açúcar mascavo. A fermentação pode variar de 6 horas a 48 horas. Quanto mais tempo fermentando, mais ácido. A indicação dos nutricionistas é que se beba o líquido passadas 24h de fermentação





  • Comments(0)